A avaliação oral no ensino de filosofia

Márcia Aparecida Gottardi Krebs, Vanessa Hlenka

Resumo


O presente artigo apresenta uma pequena analise acerca da avaliação oral no ensino de filosofia no ensino médio, com base nas perceptivas de ensino nas Diretrizes Curriculares Estaduais para a disciplina de Filosofia, busca que os alunos tenha um domínio de clareza e exposição de suas ideias. Discute ainda parâmetro de avaliações em disciplinas que usam somente avaliações escritas fazendo um questionamento sobre como esses sistemas de avaliações que ocorrem propiciam os alunos a aprenderem e fazerem uma conexão dos conteúdos aprendidos com a realidade que os cerca. Concluiu-se que os alunos encontram muita dificuldade nas avaliações orais e acreditam que há disciplinas nas quais as avaliações devem ser somente escritas e não orais. No entanto, nas avaliações orais eles se sentem menos pressionados e participantes ativos do processo de conhecimento, pois ora que se está sendo avaliado também há aquisição do saber. Apesar das controvérsias, a avalição oral vem tomando o espaço das tradicionais avaliações escritas. Abrir espaço paa que os alunos manifestem suas opiniões, aberta e oralmente, contribui para a formação de cidadãos com senso crítico mais apurado.

Palavras-chave


provas; aprendizagem; senso critico

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CC-BY-NC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 
ft_peri

Av. Sete de Setembro, 3165 - Rebouças CEP 80230-901 - Curitiba - PR - Brasil

logo_utfpr