Literatura como instrumento de militância dos Feminismos negros

Andrea Maila Voss Kominek, Ana Christina Vanali, Silvio Andrade Moreira Rezende

Resumo


Este estudo inicia apresentando o racismo como problema estrutural da sociedade ocidental contemporânea. Neste cenário, discute-se a ideia de “sujeito universal neutro”, desvelando esta suposta universalidade como uma subjetividade exacerbada e bastante específica: a especificidade do homem, branco, cis, ocidental e hétero, ou seja, o ‘padrão ideal’ e ‘socialmente valorizado’. Em seguida, aponta a literatura como instrumento de militância para os feminismos negros. Para tanto, define-se como estratégia metodológica o estudo bibliográfico de importantes escritoras negras contemporâneas, destacando, em especial, Paulina Chiziane, primeira mulher a publicar um livro de literatura em seu país, Moçambique, e que faz, de sua escrita, instrumento de enfrentamento ao racismo e ao machismo estrutural em sua sociedade. Para concluir, apresentam-se importantes escritoras negras como exemplo desta militância literária. Mulheres que, através de seus romances, crônicas e poemas, denunciam os problemas raciais e de gênero em sua sociedade.


Palavras-chave


Literatura feminista; Racismo estrutural; Feminismos negros.

Texto completo:

PDF


DOI: 10.3895/cgt.v13n41.9456

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 CC-BY-NC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
ft_peri

Av. Sete de Setembro, 3165 - Rebouças CEP 80230-901 - Curitiba - PR - Brasil

logo_utfpr